Tony Trindade

A insistência no erro

Manifestantes se aglomeram em frente a Assembleia legislativa do Piauí.

Na manhã de ontem (18) aconteceu novamente protesto em Teresina contra medidas restritivas impostas pelo Governo Estadual. Empresários, representantes comerciais e mesmo alguns trabalhadores percorreram avenidas da capital e depois se concentraram na frente da Assembleia Legislativa do Piauí. 

Gustavo Almeida / Lupa1

Eles questionam o fechamento do comércio quinta e sexta e outras medidas adotadas, cobram transparência do uso do dinheiro enviado para enfrentamento da pandemia e também reclamam do valor do ICMS cobrado no preço dos combustíveis no estado do Piauí. Até aí, tudo bem. 

Embora haja quem concorde e quem discorde dessas pessoas, elas têm o direito de se manifestar, apesar de que aglomerar nesse momento também acaba sendo um ato de irresponsabilidade. Todavia, nesse mesmo protesto tinha gente sem máscara (embora minoria), faixas em defesa do tratamento precoce contra a Covid-19 e outra que chamava o Supremo Tribunal Federal (STF) de “vergonha mundial”. 

O não uso de máscara é algo inadmissível após mais de um ano da pandemia que já matou mais de 280 mil brasileiros. Fazer aglomeração para se manifestar não aconselhável nesses tempos tão sombrios, mas fazer sem usar máscara, é repudiável. Além disso, outro ponto que se deve atacar é a defesa intransigente que muitos fazem do tratamento precoce da Covid-19 com medicamentos sem eficácia comprovada contra a doença. 

Vários estudos e entidades já mostraram que não existe medicamento para tratamento precoce do coronavírus. O fato é que se aglomerar para protestar em um momento tão grave da pandemia já é muito perigoso. Contudo, fazer isso contrariando regras e usando argumentos e teses que não existem é ainda mais incompreensível.

Mais conteúdo sobre:
ALEPICovid-19Governo do PiauíSTF

Dê sua opinião:

Veja Também

PSB já está na cadeira

PSB já está na cadeira

Sumido e muito calado

Sumido e muito calado