Tony Trindade

Covid-19: números que espantam

É urgente a necessidade de aquisição de vacinas para acelerar a imunização dos brasileiros, de todas as idades, raças e classes sociais.

O Piauí registrou nas últimas duas semanas 342 mortes provocadas pelo coronavírus.O número representa 9% do total de vítimas da doença no estado desde que a pandemia começou, em março do ano passado. Ou seja, apenas 14 dias foram responsáveis por quase 10% do total de mortes provocadas em um ano de pandemia. 

Até ontem (21), antes da divulgação do boletim diário da Sesapi, o Piauí tinha um total de 3.802 mortos pela Covid-19, conforme os números consolidados até a noite do sábado (20). Vale apontar de novo: apenas 14 dias foram responsáveis por quase 10% do total de mortes no ano inteiro no Piauí.

Esses dados mostram a força avassaladora da segunda onda da Covid-19 e o quanto todos nós precisamos tomar cuidado e termos fé. Além disso, os dados evidenciam um certo fracasso na política pública de enfrentamento da doença, em todos os níveis de gestão, ainda que uns mais que os outros. 

É urgente a necessidade de aquisição de vacinas para acelerar a imunização dos brasileiros, de todas as idades, raças e classes sociais. A Covid-19 não tem fila de prioridade para matar! Todos estão sujeitos a pegar e, infelizmente, a morrer dessa maldita doença. 

Diante disso, é cada vez mais urgente que a população cobre, grite e exija vacinas. É urgente que os senadores e deputados cobrem vacinas. É crucial que os governantes garantam, o mais rápido possível, a vacinação de TODOS os brasileiros. Tudo isso, claro, aliado à uma série de outras medidas que precisam ser tomadas nesse momento para frear o contágio. 

Já fomos complacentes demais com o discurso manso e cínico de alguns gestores e com as declarações desastrosas e idiotas de outros. Não dá mais para esperar. A tragédia não é mais uma perspectiva, ela é uma realidade. Precisamos gritar: VACINA PARA TODOS JÁ!

Mais conteúdo sobre:
Covid-19Sesapi

Dê sua opinião:

Veja Também

Cultivemos o amor

Cultivemos o amor

O abismo da vacinação no Brasil

O abismo da vacinação no Brasil